ONG Zoé celebra 1.200 atendimentos de saúde, em apenas 8 dias, nas regiões de Belterra e do rio Mamuru, no Pará

ONG Zoé celebra 1.200 atendimentos de saúde, em apenas 8 dias, nas regiões de Belterra e do rio Mamuru, no Pará

Comunidades ribeirinhas do rio Mamuru e do município de Belterra, ambos no Pará, receberam, de 7 a 14 de junho, a Zoé, ONG paulistana que atua levando saúde a populações remotas dessa região amazônica. Pela primeira vez, a Zoé realizou duas expedições concomitantes – uma no Hospital Municipal de Belterra e outra embarcada no barco hospital Papa Francisco. O time de 29 profissionais de saúde das áreas médicas e enfermagem superou a meta, que era de cerca de 500 atendimentos, e retornaram da expedição com a marca de mais de 1.200 atendimentos.

No barco hospital Papa Francisco foram 818 atendimentos, assim distribuídos por especialidade: ginecologia (94 consultas); pediatria (106); clínica geral (82); infectologia (101); oftalmologia (106). Além disso, 125 exames de ultrassom e 204 oftalmológicos. No Hospital Municipal de Belterra, a equipe fez 399 atendimentos: 42 cirurgias (21 correções de hernia; 19 de vesícula; 1 de hemorroida; e 1 desbridamento de perna -remoção de tecido infectado); 246 exames (80 endoscopias digestivas altas; 40 colonoscopia; e 126 ultrassons). Também foram realizados 111 atendimentos dermatológicos (77 consultas; 6 procedimentos terapêuticos; 20 pequenas cirurgias; 8 cirurgias de câncer de pele).

ONG Zoé atende demanda reprimida no estado com menor densidade de médicos

Segundo o médico Marcelo Averbach, membro fundador e diretor de expedições da ONG Zoé, “os  números expressivos, que superaram largamente as previsões iniciais, estão relacionados à demanda reprimida que se manifestou durante os dias em que a Zoé esteve presente”. Averbach também destaca a determinação da equipe. “Todos, médicos, equipe de enfermagem, profissionais de saúde locais, mesmo diante das limitações de tempo e recursos, desdobraram-se para atender a demanda e superar todas as expectativas”, diz.

O Pará, de acordo com levantamento da Associação Médica Brasileira, é o estado que apresenta a menor densidade de médicos por habitantes (1,18 médico por 1.000 habitantes). Esse cenário reforçou ainda mais a decisão dos médicos fundadores da Zoé, que já acumulavam experiência de atendimentos na Amazônia, a escolher  o Pará para atuação da ONG. O projeto da Zoé contempla os municípios de Belterra, Aveiro e o oeste de Santarém.

Nesse sentido, a 17ª expedição marcou a expansão da atuação da Zoé em termos geográficos e de número de comunidades atendidas. “As 16 expedições anteriores foram realizadas no Hospital Municipal de Belterra ou ao longo do rio Tapajós, a bordo do barco hospital Abaré, da Universidade Federal do Pará (Ufopa)”, informa Averbach. A 17ª expedição, por sua vez, aconteceu por meio da parceria com a entidade filantrópica Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus, responsável pela gestão do barco hospital Papa Francisco na Providência de Deus, que desde setembro de 2019 atende comunidades ribeirinhas na região amazônica.

Nosso impacto social

ONG Zoé e o impacto social  

Para Averbach, entidades da sociedade civil como a ONG Zoé, desempenham um papel importante na região, ajudando a amenizar as necessidades de uma população que enfrenta sérias dificuldades no acesso a cuidados de saúde. No caso, da Zoé, as cirurgias de hernia e vesícula, por exemplo, são importantíssimas porque livram da dor pessoas que estão há meses ou anos sofrendo, aguardando na fila do Sistema Único de Saúde (SUS), que não consegue dar vazão à demanda.

Da mesma forma, exames de imagem já diagnosticaram cânceres em estágio precoce, permitindo que o paciente fosse tratado com sucesso. “O impacto social de nosso trabalho vai além da recuperação da saúde se considerarmos que esses pacientes poderão retornar ao trabalho, aspecto fundamental para o sustento da família. Além disso, nosso objetivo, além de fornecer saúde, é estabelecer e fortalecer laços com a comunidade, promovendo continuidade no atendimento por meio de expedições periódicas”, informa.

Como ajudar

Nesse contexto, Averbach destaca a importância da contribuição dos doadores de recursos financeiros, equipamentos e insumos para viabilizar o trabalho dos médicos da Zoé no atendimento à população da região. Interessados em realizar doações para a Zoé, encontram todas as informações no site: https://ongzoe.org.br

Sobre a Zoé

A Zoé foi fundada em São Paulo (SP), no final de 2019 com o propósito de levar saúde especializada a populações remotas da Amazônia. O grupo de fundadores é formado predominantemente por médicos com histórico pessoal de atendimento a populações da Amazônia.

Desde sua criação até junho de 2023, a Zoé realizou 18 expedições para atendimento a populações ribeirinhas do Rio Tapajós. Nesse período, foram 5.126 atendimentos, envolvendo 180 voluntários. Entre os procedimentos, cirurgias de hérnia, tratamentos de varizes, exames de endoscopia, colonoscopia e ultrassons.

Compartilhar esse artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *